Aurora anuncia fim da produção de ovos com galinhas engaioladas

Cooperativa pretende implantar a mudança de maneira completa até 2025 visando o bem-estar animal

Foto: Divulgação
A Cooperativa Central Aurora Alimentos anunciou, nesta semana, em Chapecó, que até 2025 pretende completar a transição para o sistema de produção de ovos por galinhas livres de gaiolas, chamado de cage free. Em sete anos, a organização não aceitará mais galinhas poedeiras engaioladas em sua cadeia de suprimentos. A medida vale também para fornecedores de matéria-prima dos produtos Aurora. 
Conforme o presidente da entidade cooperativista, Mário Lanznaster, no segmento de avicultura industrial, a Aurora mantém o compromisso de observar aspectos relacionados ao bem-estar das aves, incentivando diversos projetos de pesquisa sobre o tema. Profissionais habilitados desenvolvem ações tanto no campo quanto nas unidades industriais, diz ele.
A prática já é adotada pela cooperativa desde 2008 em outros segmentos, como nas cadeias produtivas de aves e suínos. A Aurora Alimentos foi a primeira organização brasileira a aderir ao programa de abate humanitário recomendado pelo Ministério da Agricultura.
O diretor de agropecuária da empresa, Marcos Antônio Zordan, destaca que o compromisso alcança toda a estrutura de produção, que atualmente congrega 13 cooperativas filiadas, aproximadamente 70 mil famílias rurais e milhares de parceiros comerciais de pequeno, médio e grande porte.
As diretrizes seguidas pela Aurora Alimentos foram definidas com base em fóruns mundiais que tratam do tema, respeitando pontos fundamentais para avaliação dos animais. Os quatro princípios adotados são recomendados pelo Welfare Quality, projeto reconhecido internacionalmente e que prevê o desenvolvimento de estratégias e práticas para melhorar o bem-estar animal, além de um protocolo para avaliação em granjas e abatedouros.
São eles:
- boa alimentação (ausência de fome e sede prolongada);
- bom alojamento (conforto ao descansar, conforto térmico e facilidade para se movimentar);
- boa saúde (ausência de lesões, doenças e de dor provocada por manejo inadequado);
- comportamento apropriado (expressão do comportamento natural, ausência de medo e estresse e boa relação entre humano e animal).