A cidade das flores

Qual perfume tem destaque na realidade joinvilense?

Por Jacson Carvalho 01/10/2020 - 17:27 hs

Em tempos de campanha para as eleições municipais diversos temas entram em pauta. Alguns candidatos serão cobrados pelo que não fizeram, outros serão cobrados pelas faltas de propostas. Porém, saindo das questões políticas, que neste período tudo fica mais sensível, quero falar de um assunto muito importante, diria um dos mais importantes, e que poucos falam sobre. Ah, antes que você se sinta traído pelo título acima, este artigo não tem nada a ver com flores, e sim com saneamento básico

Lógico que a cidade das flores está sem flores faz muito tempo. Se não fosse a iniciativa privada como a Agrícolas da Ilha e associações que se dedicam ao tema, não teríamos flores há muito mais tempo. A nona e a oma, que adoram antúrio e orquídeas, também fazem a sua parte. Mas o centro da cidade, as avenidas floridas. Sem comentários, você leitor já sabe.

Em alguns bairros da cidade se encontram valetas e esgotos a céu aberto. Nem parece que é Joinville. Aliás, uma Joinville que poucos conhecem. Importante destacar que não é uma questão de estética, porque se fosse apenas isso era fácil resolver, ou enganar. Quantos lembram das cercas vivas que foram colocadas na Av. Beira Rio para esconder a poluição do Cachoeira? Mas o assunto é serio, o assunto é saúde

Joinville tem apenas 39% de esgoto tratado, e o restante para onde vai? Tem crianças em Joinville brincando a beira das valetas, doenças que deveriam estar erradicadas e reaparecem por conta da falta de tratamento de esgoto. Em Joinville existem idosos que, depois de uma vida longa de trabalho, gozam a aposentadoria com o mau cheiro de esgoto em frente de casa. 

O assunto é muito sério, vamos aproveitar este período para cobrar mais responsabilidade com assuntos de suma importância. Precisamos de saneamento básico e flores.