Conexão Tocantins

Deputado federal Rodrigo Coelho manifesta descontentamento com PSB em Santa Catarina

Por Prisco Paraiso 17/04/2019 - 10:27 hs

Deputado federal Rodrigo Coelho emitiu nota oficial. Manifesta profundo descontentamento com os rumos do PSB em Santa Catarina. Sobretudo por não ter sido comunicado das mais recentes mudanças, como a ascensão do ex-vereador Adir Gentil ao comando estadual da sigla. Gentil é ligado ao ex-prefeito de Palmas, Carlos Amastha.

O colombiano ficou muito conhecido em Florianópolis por ter sido o proprietário do Floripa Shopping. Houve uma guerra comercial com o Iguatemi já no período de construção dos shoppings e muita polêmica, rendendo até condenações criminais a Amastha por calúnia e difamação.

Outra figura que era muito conhecida na Capital catarinense é o também ex-vereador Marcílio Ávila. Ele foi até presidente da Câmara Municipal e esteve no epicentro da Operação Moeda Verde.

Os investigadores levantaram inúmeras suspeitas na relação entre empresários, prefeitura e o Legislativo, onde teriam sido negociadas licenças ambientais justamente para empreendimentos imobiliários na Capital.


Rumo norte

Gentil, Amastha, Ávila e outros saíram de Florianópolis e se estabeleceram no Tocantins. Fazem parte do mesmo grupo e agora voltam a ter alguma influência em Santa Catarina via PSB. Resumindo: depois da saída de Paulo Bornhausen, Mário Hildebrandt e Luciano Buligon, expulso no ano passado, o PSB catarinense passou a ser comandado diretamente do Tocantins! Uma situação no mínimo surreal.


De saída

“Expresso profundo descontentamento com as recentes decisões tomadas pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), do qual faço parte. Na última semana, fui surpreendido com notícias divulgadas pela imprensa a respeito dos rumos do PSB no âmbito estadual e nacional. Foi também pelos profissionais da comunicação que tive conhecimento que o ex-vereador Adir Gentil assumirá o comando da Executiva Estadual do PSB em Santa Catarina.” Assim Rodrigo Coelho abre a nota oficial que emitiu. Descontentamento é pouco. Seu desembarque do partido é questão de tempo.


Censura

Inaceitável a censura imposta por Dias Toffoli, presidente do STF, e Alexandre de Moraes, relator do absurdo inquérito aberto pela suprema corte para investigar fake News e mensagens que desagradam alguns magistrados. Toffolli foi citado na delação de Marcelo Odebrecht, hoje em prisão domiciliar, “como o amigo do amigo do meu pai.” Ou seja, o amigo de Lula da Silva, que é amigo de Emílio Odebrecht.


Volta ao passado

A citação é de 2007. À época Advogado Geral da União, depois de ter sido funcionário de Zé Dirceu na Casa Civil e advogado do PT nacional, Toffoli teria participado de conversas nada republicanas com Lula e Odebrecht pai para supostamente fazerem acertos sobre a construção da Usina de Belo Monte.


Jornalismo

Os sites Revista Crusoé e O Antagonista publicaram reportagem intitulada justamente “o amigo do amigo do meu pai”, que é Dias Toffoli. Moraes, contudo, de um canetaço, a pedido do presidente do STF, mandou retirar os materiais da internet, estabelecendo multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento da censura. É o fim da picada!


Inaceitável

Marcelo Odebrecht tem que provar o que disse e Dias Toffolli tem que se defender nos autos. Censura é inaceitável. Enquanto os arautos da esquerda ficam sugerindo que o presidente da República tem um viés ditatorial, o autoritarismo vem de outro poder, presidido justamente por alguém de notório passado esquerdista. O STF hoje é uma corte acuada, desacredita pela sociedade. E agora ditatorial e dividida também, porque alguns ministros não aceitam essas atitudes de Toffolis, Gilmares Mendes e por aí vai.