Desculpas demais

Por Prisco Paraiso 30/10/2019 - 11:56 hs

De novo, novamente, outra vez houve postagem polêmica nas redes sociais do presidente. Como já virou costume, depois da repercussão negativa, o post foi apagado, seguido das desculpas de Jair Bolsonaro. Neste começo de semana, no entanto, o tom subiu além da esfera de parcela significativa dos “rasonautas”.

O vídeo no qual o presidente era personalizado por um leão cercado de hienas; sendo estas representadas por várias instituições (OAB, CNBB, STF, etc) e partidos políticos (inclusive o próprio PSL), rendeu contundente manifestação do decano da Suprema Corte, ministro Celso de Mello.

Em nota, o que não é comum em se tratando de STF e muito menos de Celso de Mello, o ministro enquadrou Bolsonaro, assinalando que o chefe do Executivo passou de todos os limites e que não vem respeitando a independência dos poderes.

Além-mar

O posicionamento foi duríssimo. Obrigou o presidente a, diretamente do exterior, se desculpar, dizendo que não foi ele o autor e que não sabia da postagem. Já havia ocorrido algo semelhante, com menor reação das instituições, na votação, semana passada, do processo que definirá se os corruptos poderão ser presos depois da condenação em segunda instância. Além-mar, o presidente da República deveria estar focado na agenda que interessa aos negócios do Brasil e não se envolvendo nesse jogo baixo de provocações online.

Espertalhão

A verdade é a seguinte. Parece muito claro que trata-se de estratégia bolsonarista. Solta o post, deixa repercutir e viralizar nas redes sociais. Na sequência, se apaga a postagem da rede oficial do presidente ou do filho 02, Carlos, mas ela segue rolando solta na internet. Mesmo assim, também vêm as desculpas, quase sempre muito parecidas. Já há quem veja que nem é mais estratégia e sim esperteza política.

Colombo na CPI

Mesmo não tendo sido convocado – ele foi convidado – o ex-governador Raimundo Colombo compareceu e respondeu a todas as perguntas com tranquilidade durante sessão da CPI da Ponte Hercílio Luz, ontem na Alesc. Sem dúvidas, o pessedista é o líder político que menos explicações tem para dar. Sob sua gestão o governo do estado rompeu com uma empresa que tinha contrato de reforma há anos e as obras simples e misteriosamente não avançavam.

Portuguesa

Em seu lugar, foi contratada uma companhia portuguesa, indicada pela empresa norte-americana que construiu a ponte no século passado e com todo o suporte tecnológico. Os portugueses pegaram a empreitada sem licitação, ação que teve o aval do Ministério Público. E o trabalho avançou. As previsões indicam a reinauguração da velha senhora no dia 30 de dezembro deste ano.

Memória

Para quem não lembra, a Hercílio Luz está fechada há quase 40 anos. Foi interditada ao tráfego em 1982. Também assinalar que foi entre 2003 e 2010 que a ponte, ou a empreiteira, recebeu fábulas de recursos sem a devida evolução das obras. Nos bastidores, é sabido que muitas e muitas campanhas eleitorais foram irrigadas por este misterioso ralo que se chama Ponte Hercílio Luz. A CPI precisa é conduzir adequadamente seus trabalhos para chegar a conclusões que possam subsidiar o Ministério Público no sentido de responsabilizar quem precisa arcar com as responsabilidades.