Problema de caixa

Por Prisco Paraiso 02/04/2020 - 10:53 hs

Logo depois da videoconferência que o governador promoveu com os deputados estaduais, terça-feira, a Alesc aprovou uma prorrogação de ICMS para empresas que estão fechadas em função da quarentena.

Havia muito descontentamento em relação ao governo, que estaria sendo muito moroso em relação à criação de leitos, à chegada de insumos, enfim, nas ações que giram em torno do combate ao Coronavirus em Santa Catarina.

Durante a reunião virtual, Moisés da Silva falou por cerca de 40 minutos. Inclusive convidou dois parlamentares estaduais para fazerem parte do grupo que está na linha de frente na guerra contra a pandemia.

Só que o governador deu o seu recado, falou o que queria e bateu em retirada. Não interagiu com os parlamentares. Nenhum deputado fez sequer uma pergunta ao chefe do Executivo.

Pegou mal

Essa postura unilateral de Moisés acabou criando um grande mal-estar. Logo depois do monólogo on line, a bancada do MDB, justamente um partido que já esteve bem próximo do governo, articulou a aprovação do projeto que suspende o pagamento de ICMS das empresas que estão fechadas em função da quarentena.

Bolada

O desfecho é delicado. O ICMS representa 80% da arrecadação global do estado. Ou seja, surge um enorme problema de caixa. O ideal neste contexto seria a aprovação de linhas de crédito para financiar as empresas, e estas terem condições de pagarem os empregados e os impostos, fazendo o dinheiro circular.

Déficit

Somente em março, Santa Catarina registrou perda de R$ 200 milhões na arrecadação. As previsões para abril e maio, meses cheios, são sombrias. Estima-se uma queda de até R$ 1,2 bilhão.

Ladeira abaixo

A situação, que já é muito delicada, se agrava ainda mais. O governador tem o poder de vetar a postergação do ICMS, veto que, registre-se, pode ser derrubado pela própria Alesc. Está faltando conversa, entendimento. Para isso, contudo, Moisés da Silva precisa estar mais aberto e começar a dialogar com o Parlamento. Não adianta absolutamente nada fazer videoconferência e não ouvir os deputados.

Alerta vermelho

O caixa estadual entra em estado de total alerta também em função da desarticulação política. Infelizmente, o governador do estado não tem o gosto pela política. Como não se articula, acaba se deparando com situações difíceis como essa do ICMS. Que não é boa para a sociedade catarinense.

No limite

Dos bastidores, chegam informações indicando que o presidente Jair Bolsonaro estaria com a saúde emocional abalada. Houve relatos de assessores que despacharam com ele e presenciaram o chefe da nação ser acometido repentinamente por crises de choro. É hora de se acalmar, colocar a cabeça no lugar e todos pensarem no futuro do país.

Na canela

Senador Jorginho Mello, presidente do PL catarinense, divulgou um vídeo ontem de manhã. Ele cobra duramente ações efetivas por parte do governador Moisés da Silva. Se coloca à disposição para ajudar, lamenta que o chefe do Executivo não converse com deputados federais e senadores, “nem com os estaduais o senhor conversa”, e alerta: “vamos fazer um esforço grande pro seu governo não ser fake news”.