30% dos foliões passaram por transtornos durante o Carnaval passado

30% dos foliões passaram por transtornos durante o Carnaval passado

Entre os principais problemas estão furtos, perda de documentos e cartões, e compra de ítens falsificados. 67% fizeram boletim de ocorrência

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Em feriados prolongados é comum haver aumento nas estatísticas de golpes, perda de documentos, assaltos e furtos. Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) indica que 83% dos consumidores que têm a intenção de gastar no Carnaval de 2018 temem ser vítima de algum tipo de fraude.

Considerando o Carnaval em 2017, três em cada dez pessoas disseram que passaram por problemas ou transtornos durante as comemorações (30%). Os principais contratempos foram furtos (10%), perda de documentos (7%), compra de itens falsificados sem saber (7%) e perda do cartão de crédito (7%). 

Entre os entrevistados que tiveram documentos, cartão de banco ou cheques roubados, quase metade (49%) afirma ter sofrido alguma tentativa de fraude usando o seu nome para saques de dinheiro, compras no cartão, financiamentos ou empréstimos. Considerando aqueles que foram furtados ou assaltados, os principais itens foram celular (76%), dinheiro (57%), documentos (32%), cartão de crédito (29%) e de débito (25%).

O levantamento revela que as principais consequências de quem sofre algum tipo de fraude, na percepção dos entrevistados, é ter compras feitas no nome de forma indevida (65%), perder tempo tendo que regularizar a situação na polícia, bancos ou lojas (64%), ficar com o nome sujo e impedido de fazer compras com crédito (62%).

A grande maioria (93%) fica preocupada com as possíveis consequências de uma fraude. Essa preocupação faz com que 58% fiquem mais cuidadosos com o uso de cartões e documentos e 23% cogitam contratar algum tipo de serviço antifraude.

Cerca de 83% pretendem se precaver para evitar transtornos com fraudes no carnaval, sendo que 42% irão tomar cuidado com os seus pertences, 33% farão compras somente em locais confiáveis e 32% não vão oferecer seus dados a estranhos.

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, alerta: "Se for preciso levar cartões de crédito ou débito, mantenha-os sempre junto de você, fora da vista e do alcance das pessoas. Nada de bolsas e mochilas, se possível. Também é bom ter os dados do cartão e o telefone do serviço de atendimento ao consumidor anotados num local de fácil acesso, caso haja perda."

Sete em cada dez consumidores (67%) que perderam ou tiveram os documentos, cartão ou cheque roubados ou clonados no carnaval de 2017 fizeram boletim de ocorrência e 55% dos entrevistados conhecem algum órgão que possam fazer denúncias de fraudes, mas apenas 11% conhecem algum tipo de serviço antifraude.