Câmara aprova urgência em projeto que poderá impactar no turismo catarinense

Câmara aprova urgência em projeto que poderá impactar no turismo catarinense

Transformação da Embratur em agência possibilitará ações mais efetivas para atração de turistas ao Estado

22/03/2018 - 09:55 hs

A Câmara dos Deputados aprovou, na terça-feira (20), do pedido de regime de urgência ao PL 2724/2015, que transforma a Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) em serviço social autônomo. Como exemplo, a Embratur passaria a ter os mesmo moldes da Apex e Sebrae. O projeto também permite a ampliação da participação de capital estrangeiro nas companhias aéreas e também moderniza a Lei Geral de Turismo. 

O presidente da Embratur, o catarinense Vinicius Lummertz, afirmou que a aprovação da matéria interessa diretamente a Santa Catarina, um dos polos turísticos do país, que poderá receber ainda mais turistas estrangeiros do que recebe atualmente.

Os projetos integram o "Brasil + Turismo", um pacote de medidas para fortalecer o setor no país. O presidente da Embratur destacou a importância da aprovação da urgência pelo plenário da Casa. "O primeiro passo foi dado na direção de elevar a competitividade do turismo brasileiro no cenário internacional. Esperamos agora a aprovação do mérito, que poderá potencializar os investimentos para promoção internacional e colocar o turismo brasileiro em outro patamar", disse Lummertz.

Mudanças

No modelo atual, a Embratur é uma autarquia vinculada ao Ministério do Turismo, tendo como única fonte de recursos o orçamento da União. Com os sucessivos cortes deste orçamento, a capacidade de investimento em promoção do turismo brasileiro no exterior vem caindo drasticamente, prejudicando as ações de promoção do Brasil no exterior.

No formato de agência, será possível celebrar convênios e promover ações integradas com outros órgãos governamentais e iniciativa privada. A Embratur terá mais agilidade e competitividade. Também será possível investir mais em capacitação e mobilidade funcional para o quadro de trabalhadores. A medida aumenta a competitividade do Brasil como destino turístico em um mercado cada vez mais profissional.

O orçamento da Embratur oscilou nos últimos anos e para 2018 está na ordem de US$ 17 milhões, valor consideravelmente abaixo dos concorrentes vizinhos. A Argentina investiu no ano passado cerca de US$ 80 milhões, a Colômbia, US$ 100 milhões. Esses países apresentam fluxos turísticos internacionais sólidos e crescentes. "Estamos andando na contramão e esses concorrentes já ameaçam a liderança do Brasil no turismo da América do Sul", pondera o presidente da Embratur.

Lummertz destaca que a mudança no modelo de gestão é uma importante conquista para o setor de turismo, que agrega 52 diferentes segmentos e pode se transformar em um grande vetor de desenvolvimento econômico, como acontece em países como Portugal e Espanha. "A nova Embratur não impacta positivamente apenas o futuro do turismo, mas também em relação à economia do país", diz ele.

Leia as últimas notícias de Joinville e região no AJ