Museu de Arte de Joinville estreia exposição com obras inéditas de Mario Avancini

Exposição tem estreia neste sábado e conta com 73 obras

Foto: Divulgação

Nova exposição no Museu de Arte de Joinville (MAJ), "Revelação da beleza - A matéria esculpida por Mário Avancini" estreia neste sábado (5), às 10 horas, e vai reunir 73 peças da série "Aconchego", que fazem parte do acervo do MAJ. Parte das obras nunca foi exposta e, por isso, são inéditas. A curadoria da mostra é de Letícia Mognol e Marcio Paloschi. 

Além das esculturas, o público poderá conhecer mais sobre a vida de Mario Avancini, com o filme "Decifrando a Linguagem das Pedras", que será exibido durante todo o período da exposição, que segue até o dia 29 de julho. O curta-metragem é dirigido pelo cineasta Luciano Coelho, e produzido pela neta do escultor, Daniela Avancini. 

A abertura da exposição terá como atração especial, apresentação do "Som na Calçada", a partir das 10h30. Criado pelos músicos Tobias Alexandre, Júnior Gonçalves e Cláudio Morais, o projeto traz em seu repertório, clássicos do jazz e do blues norteamericano, e sucessos da música popular brasileira, ao som do contrabaixo acústico, guitarra elétrica, saxofone e flauta. 

A exposição "Revelação da beleza - A matéria esculpida por Mário Avancini" e o projeto "Som na Calçada", têm apoio da Prefeitura de Joinville, por meio do Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura - Simdec

O Museu de Arte de Joinville fica na rua XV de Novembro, 1400, América, e é aberto ao público de terça-feira a domingo, das 10 às 16 horas. A entrada é gratuita. 

Mário Avancini 

Nascido em Rodeio, Santa Catarina, em 1926, Mário Avancini começou a trabalhar aos 13 anos, com o pai, que era britador de pedra - e descobriu a matéria-prima seria a base para a sua obra. 

Sua projeção como artista ocorreu no final da década de 1960, quando executou uma peça para a Praça do Índio, solicitada pela Prefeitura de Joinville. A partir daí foi transferido para a Escola de Arte Fritz Alt, da Casa da Cultura de Joinville (1968). 
Ganhou uma bolsa de estudos, aprendeu a esculpir em cerâmica e queimar peças em fornos, e passou a se dedicar à escultura, como artista e professor. 

Em uma primeira fase, destacaram-se as temáticas exóticas e místicas, com peças como "Pia Batismal" ou "Mão com Cristo". A partir dos anos de 1990, a família deu o tom de sua obra, com formas concisas, como as que podem ser conhecidas na série "Aconchego". 
Mario Avancini faleceu em novembro de 1992, aos 66 anos. É reconhecido como um dos grandes artistas catarinenses.

*Informações de Folha de Araquari