Defesa Civil alerta para risco de afogamentos e desastres naturais no verão

Em 2017, Corpo de Bombeiros registrou seis afogamentos nos primeiros dois meses do ano

Por Fernanda Eliza 21/12/2018 - 14:38 hs
Foto: EBC

Com a chegada das férias e dias mais quentes, muitos moradores de Joinville recorrem aos rios da cidade para se refrescarem e aproveitarem o clima. Devido ao aumento do fluxo de banhistas neste período, a Defesa Civil trabalha com o Projeto Piava. O objetivo é informar a população sobre os riscos e prevenções de acidentes, como o afogamento.


Segundo o Corpo de Bombeiros Voluntários de Joinville (CVBJ), durante todo o ano de 2017 foram registradas dez ocorrências de afogamento, sendo que seis ocorreram entre janeiro e fevereiro. Já em 2018, foram sete durante o ano inteiro.


Em casos de afogamento em curso, o Projeto Piava orienta que, quem estiver no local, use um bambu, vara ou qualquer outro material que possa ser utilizado para puxar o banhista para fora da água. Até mesmo boias, pneus e bolas podem ser usadas para que a pessoa tenha mais facilidade em boiar. É importante evitar pegar a vítima pela frente, já que isso permite que ela se segure e afunde o socorrista, segundo a Defesa Civil.


Para evitar esse tipo de situação, o Projeto Piava recomenda que, durante a escolha do local para banho, a população leve em conta a profundidade e correnteza dos rios. Além disso, é importante verificar se dentro da água há obstáculos que podem machucar, como pedras, troncos e galhos. O órgão também alerta para o cuidado com as crianças: “é necessário que elas sempre estejam acompanhadas de um adulto”, explica. Outra observação importante é a climática, por conta das enxurradas.


Ainda em questão ao clima, outro fator que preocupa são as tempestades. De acordo com Prefeitura Municipal de Joinville (PMJ), as fortes chuvas que aconteceram nos dias 16 e 17 de janeiro de 2018 afetaram 53 mil pessoas e mais de 21 mil residências. O prejuízo público estimado pela PMJ é de cerca de R$2.337.164 milhões. Situações de emergência que envolvam deslizamentos de terra, inundações e vendavais devem ser acionadas à Defesa Civil por meio do telefone 199.

Evitar ou minimizar danos causados por desastres naturais


No geral, uma boa forma de evitar que catástrofes naturais aconteçam é preservar o meio ambiente, não desmatar e nem jogar lixo no chão, por exemplo. Ainda assim, cada situação necessita de cuidados particulares. Para prevenir deslizamentos de terra é importante não executar cortes ou aterros sem acompanhamento técnico; não desviar ou obstruir o caminho das águas de drenagem; é necessário consertar vazamentos, já que os mesmos aumentam os riscos de deslizamentos. Também existem formas para evitar destruições causadas por vendavais, tais como: revisar a cobertura e resistência da casa; manter árvores sadias e podadas; não deixar objetos ou entulhos no quintal.


Nos casos de deslizamentos de terra, por exemplo, é possível perceber alguns sinais de risco: rachaduras ou trincas no terreno ou na casa; muros e paredes estufados; afastamentos do prédio em relação às paredes externas e calçadas; inclinação de postes e árvores; água com barro na base da encosta.


O que fazer em situações de deslizamento, inundações e vendavais


Deslizamentos: ao identificar quaisquer sinais de perigo, saia da residência e comunique a Defesa Civil; procure local seguro; com segurança, providencie a saída e retirada das pessoas do local.


Inundações e alagamentos: pessoas que moram em regiões seguras são recomendadas a permanecer em casa; quando possível, abandone a área de risco de inundação e mantenha produtos de limpeza, alimentos e objetos de valor em locais altos; separe documentos importantes e deixe-os embalados em sacos plásticos; ao sair, desligue a chave geral de eletricidade, água e gás; se ficar em local isolado e inseguro, chame o Corpo de Bombeiros (193); evite andar de carro ou a pé nas enchentes, há risco de ser arrastado pela correnteza.


Vendavais: fechar janelas e portas para evitar que o vento entre dentro da residência; desligar o registro de eletricidade, água e gás; evitar transitar por locais onde há fiação elétrica, outdoors, andaimes e escadas; não se abrigar sob árvores ou estruturas metálicas.