Cultivo de ostras e mexilhões na Barra do Aririú e na Ponta de Baixo é interditado

Por Redação Agora Joinville 17/01/2020 - 11:14 hs
Foto: Divulgação

A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural comunicou a interdição dos cultivos de ostras e mexilhões na Barra do Aririú, em Palhoça e da Ponta de Baixo, em São José, devido à presença de Escherichia coli (E. coli) acima dos limites permitidos. Desde quarta-feira (15), está proibido retirar e comercializar ostras, mexilhões e seus produtos, inclusive nos costões e beira de praia dessas áreas.


A medida foi necessária após exames laboratoriais detectarem a concentração de coliformes fecais acima dos limites permitidos nos cultivos de moluscos bivalves nos dois locais. Esse fenômeno é decorrente da combinação de chuvas e do maior número de pessoas visitando o Litoral catarinense.


É importante ressaltar que essa é uma situação pontual, restrita às localidades de Barra do Aririú e Ponta de Baixo, e que não se aplica a outras 37 localidades produtivas. Nos locais interditados existem cerca de 15 maricultores de um total de 500 em todo o estado.


 A Cidasc segue com as coletas para monitoramento das áreas de produção de moluscos interditadas e arredores. Os resultados dessas análises definirão a liberação ou a manutenção da interdição das áreas afetadas. Os locais de produção interditados serão liberados após dois resultados consecutivos demonstrando que os moluscos estão aptos para o consumo.


Santa Catarina é o maior produtor nacional de moluscos, com 39 áreas de produção distribuídas em 11 municípios do Litoral. O setor gera mais de 1.900 empregos diretos e a produção gira em torno de 13 mil toneladas de mexilhões, ostras e vieiras.



Monitoramento constante


Santa Catarina é o único estado do país que realiza o monitoramento permanente das áreas de cultivo. O Programa Estadual de Controle Higiênico Sanitário de Moluscos é um dos procedimentos de gestão e controle sanitário da cadeia produtiva, dando garantia e segurança para os produtores e consumidores.

           

Fonte: Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural