Mudança de critério deve evitar novas restrições em SC

Governo do Estado mudou regramento para facilitar liberação de atividades

Foto: Foto: Reprodução

O governo do Estado adotou um novo critério para avaliação do risco de Covid nas regionais de saúde de Santa Catarina a partir desta semana. Em vez de considerar a ocupação geral de leitos de UTI, como era feito até então, a Secretaria de Saúde vai levar em conta apenas a ocupação dos leitos reservados para pacientes Covid. A mudança tem duas razões principais. A primeira é que a doença está enfraquecendo e, portanto, a demanda por leitos vem caindo. A segunda é que o governo liberou a realização de cirurgias eletivas de alta e média complexidade e isso acarretará em maior ocupação e reserva de leitos.

A mudança no critério serve para driblar as regras por novas restrições no Estado. A taxa de ocupação de leitos de UTI, que é um dos critérios de avaliação de risco, deve cair com o novo modelo e facilitar que as regionais de saúde saiam da avaliação gravíssima (vermelha) e grave (laranja), mesmo com isolamento social ruins. O novo método deve auxiliar também a volta às aulas. A Secretaria de Educação prevê o retorno somente para regiões com risco moderado (azul). Hoje, nenhuma região está nesta condição.

"Até semana passada nós trabalhávamos com número total de leitos de UTI porque nós tínhamos dado prioridade aos leitos para pacientes Covid. O governo estadual autorizou a volta das cirurgias eletivas, e grande parte delas acontece com reserva de leitos", disse a superintendente de vigilância epidemiológica do governo estadual, Raquel Bittencourt.

"Por que nós fizemos isso? Porque está diminuindo a demanda por leitos de UTI para Covid. Tem regiões que estão na faixa de 50, 55% e que já estiveram em 90%. É uma adaptação ao momento da pandemia", acrescentou. Com a mudança, o Estado aprofunda a responsabilização sobre as prefeituras e só deve intervir caso os municípios não tomem as medidas necessárias.

A pasta também alterou as proibições relacionadas à cada cor, aumentando as liberações mesmo para as regiões em risco gravíssimo (vermelho), como ensino técnico presencial, algumas atividades do Detran, transporte coletivo, hotéis, pousadas, entre outros; e também a permissão para eventos sociais, shows, cinema, teatros, congressos e afins em áreas consideradas de risco alto (amarelo).